Reading List – Os Crimes do Monograma

Slide1

Os Crimes do Monograma, de Sophie Hannah, é o primeiro livro a retomar o personagem de Poirot, retratado pela última vez em Cai o Pano – O Último Caso de Poirot, escrito por Agatha Christie em 1975, um ano antes de sua morte. O extraordinário detective belga surgiu pela primeira vez em 1920 em O Misterioso Caso de Styles e tornou-se o mais conhecido e emblemático personagem da Rainha do Crime.

Polido e esmerado na sua aparência pessoal, jactante na vaidade com que demonstra os seus dotes intelectuais, e ao mesmo tempo com uma incrível capacidade de avaliar as pessoas, Poirot é o herói perfeito para uma história de detectives clássica.

Quando os herdeiros de Agatha Christie autorizaram a utilização do conhecido personagem num novo romance, coube a Sophie Hannah, escritora britânica de romances policiais, a tarefa de trazer de novo à vida o famoso detective belga. Hannah é conhecida pelos seus soberbos romances, com enredos inventivos e cheios de profundidade psicológica. Apesar de este Crimes do Monograma ser uma obra cuidada de uma grande admiradora de Christie, o desafio é difícil e sempre dado à comparação.

80c6f21569e1622667a5d358f360f730

O Poirot de Hannah é fiel ao personagem original, fazendo o que é esperado dele. Não obstante, parece faltar-lhe a vitalidade que lhe conhecemos das histórias da sua criadora. A história é densa e a sua resolução intrincada, fechando um enredo engenhoso em que as pistas fazem muitas vezes lembrar as dos romances de Christie. Por sua vez, com Christie, o enredo, o tema e os personagens constituem um todo, e a história, escrita com uma simplicidade sublime, vai-se desenrolando de forma fluida até que todas as peças do puzzle, uma vez apresentadas, se compõem numa solução. Tudo está lá e, contudo, raramente desvendamos o mistério.

Os Crimes do Monograma conta-nos uma história de paixão, vingança e culpa, para a qual Poirot se vê arrastado, precisamente quando tenta fazer uma pausa e descansar “as pequenas células  cinzentas”. Uma jovem surge repentinamente no Café Pleasant, onde Poirot vai tomar o melhor café de Londres, e diz ao detetive belga  “já estou morta … ou serei em breve.”. Entretanto, três corpos são descobertos em diferentes quartos do mesmo hotel de Londres, cada um com um botão de punho monogramado colocado na boca. Os assassinatos ocorrem em 1929, embora o motivo proceda de eventos ocorridos cerca de 16 anos antes. O caso é nos apresentado por um jovem detetive da Scotland Yard, Edward Catchpool, que mora na pensão onde Poirot tomou alojamento temporário, com a intenção de desfrutar de “um mês, pelo menos, de tranquila inatividade”. Mas, é claro, a investigação vai revelar-se irresistível. Especialmente, como Poirot observa, porque “abotoaduras vêm em pares”, sugerindo que um quarto assassinato ainda possa ocorrer.

Embora possa não apresentar a legibilidade a que nos habituou Agatha Christie, mantendo o interesse do principio da primeira página ao final da última, vale a pena acompanhar Poirot neste regresso e, sobretudo conhecer outros livros de Hannah.

(English Version)

Reading List – The Monogram Murders

The Monogram Murders, from Sophie Hannah, is the first book to resume the character of Poirot, last portrayed in The Curtain – The Last Case of Poirot, written by Agatha Christie in 1975, a year before her death. The extraordinary Belgian detective first appeared in 1920 in The Mysterious Case of Styles and became the best known and emblematic character of Queen of Crime.

Polished and neat in his personal appearance, overtly vain about his intellectual gifts, and at the same time with an amazing ability to evaluate people, Poirot is the perfect hero for a classic detective story.

When the heirs of Agatha Christie authorized the use of the known character in a new novel, fell to Sophie Hannah, British writer of detective novels, the task of bringing back to life the famous Belgian detective. Hannah is known for its superb novels with inventive plots  and full of psychological depth. Although this Monogram Murders is the careful work of a great admirer of Christie, the challenge is difficult and always given to the comparison.

Poirot’s Hannah is true to the original character, doing what is expected of him. Nevertheless, it seems lacking in vitality that you know from the stories of Christie. The story is dense and its resolution intricate, closing an ingenious plot in which the clues often remind us of Christie’s novels. In turn, with Christie, the plot, theme and characters constitute a whole, and the story, written with a sublime simplicity, develops fluidly until all the pieces of the puzzle, have been presented, composed a solution. Everything is there and yet rarely we are able to unveil the mystery before the solution is presented.

The Monogram Murders tells a story of passion, revenge and guilt, for which Poirot finds himself dragged, precisely when he tries to take a break and rest his “little gray cells”. A young woman suddenly appears at Pleasant Coffee House, where Poirot will take the best coffee in London, and tells the Belgian detective “I’m already dead … or I will be soon.”. Meanwhile, three bodies are discovered in different rooms at the same London hotel, each with a monogrammed cufflink placed in the mouth. The murders occur in 1929, although the reason of events remount about 16 years ago. The case is presented in by a young detective from Scotland Yard, Edward Catchpool, who lives in the boarding house where Poirot took temporary accommodation, with the intention of enjoying “a month at least, of quiet inactivity”. But, of course, the investigation will prove irresistible. Especially as observed Poirot, because “cufflinks come in pairs,” suggesting that a fourth murder may still occur.

While it may not display the legibility that Agatha Christie has accustomed us, keeping the interest from the first page to the last, is worth watching Poirot in this return and, above all know some other Sophie Hannah novels.

Advertisements
Reading List – Os Crimes do Monograma

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s